Loading...

Métodos de Coleta de Insetos

Acessos nessa página: 1159
Introdução

A coleta de insetos é uma atividade essencial para a entomologia, permitindo o estudo e a identificação de espécies, a investigação de padrões de distribuição e a compreensão da ecologia dos insetos. Existem inúmeros métodos de coleta, cada um adequado a diferentes tipos de insetos e ambientes. Abaixo estão alguns dos métodos mais conhecidos:

, com imagens de Wikimedia Commons

1. Armadilhas Malaise

A armadilha Malaise é amplamente utilizada em estudos entomológicos de longo prazo. Ela consiste em uma tenda de tecido leve com uma abertura direcionada para a passagem dos insetos. Os insetos voadores entram na tenda e são direcionados para uma parte superior, onde são coletados em recipientes com álcool. Essa armadilha é especialmente eficiente na coleta de insetos voadores em ambientes diversos, como florestas, campos e áreas urbanas.

2. Armadilhas Luminosas

Armadilhas luminosas são úteis para coletar insetos noturnos atraídos pela luz. Elas consistem em uma fonte luminosa, como lâmpadas ultravioleta ou luz negra, que atrai os insetos. Os insetos são então capturados em um recipiente. Essas armadilhas são frequentemente utilizadas em estudos de insetos polinizadores noturnos e espécies de hábitos noturnos.

3. Rede Entomológica

As redes entomológicas são uma das formas mais simples e comuns de coleta de insetos. Elas podem ser usadas para capturar insetos voadores, como borboletas, mariposas e libélulas. As redes entomológicas são constituídas de um cabo longo e uma rede de malha fina, que permite a captura dos insetos sem machucá-los. Essa técnica é particularmente útil em áreas com vegetação densa.

4. Armadilhas de Solo

As armadilhas de solo são utilizadas para capturar insetos que vivem no solo ou que fazem seu desenvolvimento nesse ambiente. Essas armadilhas podem ser do tipo "pitfall", consistindo em copos enterrados no solo com uma solução conservante, ou do tipo "Winkler", que usam a decomposição da matéria orgânica para forçar a migração dos insetos para uma câmara de coleta. Essa técnica é especialmente útil para amostragem de insetos decompositores e do solo.

5. Armadilhas de Feromônios

As armadilhas de feromônios são utilizadas para atrair insetos com substâncias químicas específicas liberadas pelas fêmeas para atrair os machos para a reprodução. Essas armadilhas são especialmente úteis para a captura de insetos-praga em cultivos agrícolas, auxiliando em programas de manejo integrado de pragas.

6. Armadilhas de Frutas

As armadilhas de frutas são utilizadas para coletar insetos que se alimentam ou depositam seus ovos em frutas maduras. Essas armadilhas geralmente consistem em recipientes com iscas de frutas, como bananas ou mangas, que atraem os insetos. São muito utilizadas em estudos de moscas-das-frutas e outros insetos associados às culturas frutíferas.

7. Armadilhas de Malha Fina

As armadilhas de malha fina, também conhecidas como guarda-chuva japonês ou guarda-sol chinês, são usadas para coletar insetos que habitam na vegetação baixa, como gramíneas e arbustos. A armadilha consiste em um cone ou guarda-sol feito de tecido fino preso a uma armação, posicionado sobre a vegetação. Os insetos deslocam-se para cima e ficam presos na malha fina, onde podem ser coletados para estudo.

8. Winkler Extractors

Os Winkler Extractors são utilizados para coletar insetos que vivem no solo ou em serapilheira (camada de matéria orgânica acumulada no solo). Esse método é particularmente útil para a amostragem de insetos decompositores, como besouros e formigas, que desempenham um papel importante na reciclagem de nutrientes nos ecossistemas.

O Winkler Extractor consiste em um conjunto de sacos de pano ou tela, onde a serapilheira ou o solo é coletado em campo. O material é então transportado para o laboratório, onde é colocado em um funil com uma armadilha de coleta na parte inferior. O funil é suspenso em uma solução conservante, como etanol ou álcool isopropílico.

A medida que o material da serapilheira se decompõe, os insetos presentes no solo migram para cima, buscando se abrigar do ambiente úmido. Ao atingirem a parte superior do funil, acabam caindo na solução conservante e são preservados para futura identificação e análise. Essa técnica permite obter informações sobre a riqueza e abundância de insetos que habitam o solo, bem como avaliar sua composição e diversidade.

9. Funil de Berlese

O Funil de Berlese é uma técnica de coleta utilizada para extrair pequenos insetos e outros artrópodes presentes em serapilheira e solo. Essa técnica é especialmente adequada para a coleta de fauna do solo, como ácaros, colêmbolos, larvas de besouros e outros organismos microscópicos.

O método consiste em coletar uma amostra de serapilheira e/ou solo e, em seguida, secá-la suavemente em um funil especial, geralmente feito de metal ou plástico, com uma tela fina na base. O funil é posicionado sobre um recipiente contendo álcool ou outra solução conservante. A serapilheira seca é colocada no funil, e à medida que o material se desidrata, os pequenos artrópodes e insetos são forçados a migrar para baixo, buscando um ambiente mais úmido. Ao atingirem a tela na base do funil, os insetos caem na solução conservante, onde ficam preservados para análise posterior.

O Funil de Berlese é especialmente útil para amostragem de insetos do solo em estudos de ecologia e biodiversidade, pois permite coletar uma grande quantidade de organismos de diferentes tamanhos e grupos taxonômicos.

Referências
  1. Rinker HB, et al. (2019). Evaluation of multiple insect trapping methods to monitor a tropical insect pest. Journal of Pest Science, 92(3), 1063-1073.
  2. Shimizu H, et al. (2016). Evaluation of light attraction for insect surveys and monitoring in agricultural landscapes. Journal of Applied Entomology, 140(1-2), 91-100.
  3. Tanasevitch AV. (2020). Collecting spiders and pseudoscorpions in nests of social insects: Review and perspectives. Entomological Review, 100(1), 14-22.
  4. Vieira MV, et al. (2018). Efficiency of pitfall traps and Winkler extractors for sampling ants (Hymenoptera: Formicidae) in the Brazilian Cerrado. Sociobiology, 65...
  5. Campbell JF, et al. (2012). Pitfalls and protocols for stored-product insect pest monitoring. Journal of Stored Products Research, 51, 44-54.
  6. Cohen AC, et al. (1995). An improved bait technique for grasshopper and katydid (Orthoptera) trapping. Journal of Orthoptera Research, 4(1), 19-23.
  7. Corley JC, et al. (1997). Malaise traps used to study population dynamics of Culicoides species (Diptera: Ceratopogonidae) in Northern Europe. Medical and Veterinary Entomology, 11(2), 200-209.
  8. Doi R, et al. (2016). Evaluating the effectiveness of insect traps in capturing the Asian giant hornet (Hymenoptera: Vespidae). Applied Entomology and Zoology, 51(1), 91-95.
  9. Imura O, et al. (2018). Monitoring method for aphid populations in barley fields with water pan traps. Journal of Plant Protection Research, 58(1), 68-75.
  10. Basset Y, et al. (2012). Arthropod diversity in a tropical forest. Science, 338(6113), 1481-1484.
  11. Bestelmeyer BT, et al. (2000). A comparison of pitfall and sticky traps for sampling ground-dwelling arthropods in semi-arid grasslands. Journal of Arid Environments, 44(3), 185-189.
  12. Gotelli NJ, et al. (2011). Ant diversity in Brazil nuts: Relationship with the plant size and the occurrence of Attalea excelsa (Arecaceae) ants. Ecological Entomology, 36(4), 451-457.
  13. Macfadyen S, et al. (2009). Do natural enemies really make a difference? Field-scale impacts of parasitoid wasps and hoverfly larvae on cereal aphid populations. Journal of Applied Ecology, 46(2), 386-394.
  14. Mulatu A, et al. (2015). Diversity of soil macrofauna along a land-use gradient in Afromontane landscape, Ethiopia. Journal of Insect Science, 15(1), 148.
  15. Salmon S, et al. (2019). The use of Berlese funnels to assess the impact of agricultural intensification on Collembola communities. Applied Soil Ecology, 135, 76-82.

Versão e-Insetos: 1.1.218.2308 - U: 1979 - Atualização (06/08/2023)